Blog do Bruno Voloch

Grand Prix levado a sério
Comentários 9

Bruno Voloch

Alívio.

Se não houver nenhum imprevisto, a seleção brasileira está escalada para a estreia no Grand Prix contra a China.

Dani Lins e Sheilla, Fabiana e Thaísa, Fernanda Garay e Jaqueline. Camila Brait de líbero.

Sim, Jaqueline como titular.

Parece que o bom senso prevaleceu. Parece.

José Roberto Guimarães sabe que não pode abrir mão do talento de Jaqueline e o quanto antes tiver a jogadora em forma melhor para a seleção.

Segundo o blog apurou, Carol está fora e não faz diferença alguma. Adenízia não pode ser preterida em hipótese alguma.

Contundida e em tratamento no Brasil, Tandara também estará ausente.

Normalmente sobraria para Andreia. Ela e Monique que tratem de aproveitar o fim de semana na Itália, algo raro.

Diante do atual cenário, o técnico acertou a mão na relação.

 


Gamova não resistiu
Comentários 58

Bruno Voloch

Aconteceu o que era previsto.

A possibilidade de conquistar o tricampeonato falou mais e Ekaterina Gamova irá defender a Rússia no campeonato mundial.

O torneio será jogado entre 22 de setembro e 12 de outubro na Itália.

A jogadora, que estava afastada da seleção desde os jogos olímpicos de Londres, vai se apresentar ao técnico Yuri Marichev para os treinamentos após a disputa do Grand Prix.

Em dezembro de 2012, Gamova anunciou que não atuaria mais pela seleção.

A confirmação do retorno da jogadora veio através de Vladislav Fadeev, diretor da federação russa.

A experiente Sokolova também estará à disposição.

Sem suas principais estrelas, a Rússia estreia no Grand Prix na próxima sexta-feira contra os Estados Unidos.

Turquia e Japão completam o grupo.

Marichev relacionou as levantadoras Kosianenko e Startseva, as centais Zaryazhko, Shlyakhovoy, Fetisova e Podskalnaya, as ponteiras Obmochaeva, Kosheleva, Malykh, Bavyikina, Scherbany e Pasynkova.

As líberos Malova e Krtuchkova fecham a lista das 14.

 


Teste ou pra valer ?
Comentários 27

Bruno Voloch

Na próxima sexta-feira, dia 1, a seleção feminina estreia no Grand Prix.

O adversário será a China. Além das chinesas, o Brasil terá Itália e República Dominicana como adversários no primeiro fim de semana.

Será o último torneio oficial antes do mundial da Itália em setembro.

2014, diferente do ano de 2013, não trouxe até agora resultados satisfatórios. O Brasil não foi bem na Montreux Volley Masters e perdeu todos os amistosos para os Estados Unidos.

Hoje, José Roberto Guimarães conta com a força máxima, ou seja, pode escalar o que considera de melhor.

A questão é saber se o treinador irá aproveitar o Grand Prix para testes ou definitivamente entrosar e treinar o time titular.

O exemplo da seleção masculina é recente. O time demorou a engrenar e se classificou no limite para a fase final.

O Grand Prix, assim como para o Brasil, não é prioridade para nenhuma seleção do mundo, mas todos enxergam na competição a possibilidade de fazer as últimas observações, testar, conhecer os adversários de perto e dar ritmo para as jogadoras que necessitam.

No caso do Brasil, Jaqueline.

Disputar a fase final no Japão é obrigação.

Um eventual fracasso seria prejudicial em todos os sentidos e abalaria a confiança do grupo. Ser campeão é outra questão.

Não existe essa coisa de 'esconder jogo'. Bobagem.

É evidente que algumas seleções terão uma cara diferente no mundial e não vão disputar o Grand Prix com a força máxima.

A competição é de suma importância para Jaqueline, Camila Brait e Sheilla.

Jaque precisa ganhar ritmo de jogo, Camila irá assumir pela primeira vez a função de titular sem a sombra de Fabi e Sheilla ainda corre atrás da forma ideal.

Dani Lins, Garay, Thaísa e Fabiana são intocáveis.

Natália é outra que precisa justificar a convocação. Não basta ser a 'queridinha' do técnico. Tem bola e potencial.

Tandara deveria ser mais aproveitada, afinal é uma ótima alternativa, assim como Gabi, outra que dificilmente deixará de estar na lista do mundial. E nem pode. Aliás, ela e Natália em tese são as mais cotadas para serem titulares enquanto Jaqueline não recuperar o condicionamento físico.

Qual será a opção de Zé Roberto para esse primeiro fim de semana ?

A lógica indica Gabi. Mas nem sempre a lógica prevalece.

Fabíola é banco e Ana Tiemi, algo inexplicável, foi convocada por méritos, mas não é testada.

Monique corre por fora mas a concorrência é muito grande. Quando entra, Monique tem correspondido.

Andreia e Juciely estão inscritas, podem entrar num jogo ou outro, mas diante do atual cenário, não irão sobreviver.

A líbero Leia, essa sim deveria ser testada em alguns jogos mais fracos, já que por causa do regulamento estará entre as 14 do mundial.


Boa perspectiva
Comentários 6

Bruno Voloch

O Cruzeiro anunciou a contratação do canadense Frederic Winters.

Ele chega para ocupar a vaga do venezuelano Diaz. O jogador, que veio indicado por Marcelo Mendez, não rendeu o esperado. Ambos trabalharam juntos no Palma de Mallorca, da Espanha, mas Diaz simplesmente não se firmou no Cruzeiro.

Frederic Winters é rodado e muito experiente.

Impressiona o currículo do atleta. Winters tem apenas 31 anos e já rodou o mundo. Passou por França, Áustria, Rússia, Coreia, Itália, China, Turquia, Alemanha e Estados Unidos.

Incrível.

O verdadeiro nômade.

Winters é forte fisicamente e bom passador.

Se vai render o esperado, só o tempo dirá. Trata-se de uma aposta.

Em junho de 2012, o Rio trouxe Sarah Pavan. A jogadora acabou bicampeã da superliga pelo time de Bernardinho.

O nível do vôlei chinês, onde foi campeão pelo Baic Motor, não pode ser comparado ao brasileiro. Nem de longe.

A seleção do Canadá, embora classificada para o mundial da Polônia, não serve como referência, mas Winters pode seguir os passos de Sarah Pavan.

Essa é a expectativa da fanática torcida do Cruzeiro.

 

 

 

 

 


Fim da linha
Comentários 5

Bruno Voloch

Aos 36 anos, a italiana Elisa Togut está abandonando o esporte.

Vi de perto a ascensão da jogadora.

Campeã do mundo na Alemanha em 2002, Togut foi a grande responsável pelo inédito título da Itália na época e foi eleita a MVP da competição.

Curiosamente, nos mais de 20 anos dedicados ao vôlei, jamais atuou fora do país.

Passou por grandes clubes como Modena, Busto Arsizio, Jesi e Perugia. Na última temp0rada defendeu o modesto Banca Reale Giaveno, mas nunca conseguir ser campeã nacional.

Jogou ainda duas olimpíadas e se despediu da seleção após o quarto lugar no mundial de 2006 no Japão.

Quem teve o privilégio de vê-la jogando, sabe que Togut vai deixar saudades.

 

 


A sorte está lançada
Comentários 35

Bruno Voloch

A sorte está lançada.

Bernardinho relacionou os 18 jogadores que vão treinar em Saquarema para o campeonato mundial da Polônia.

As ausências de William e Théo são as surpresas.

O técnico optou pelo levantador Murilo Radke e os opostos Renan e Evandro Guerra.

Os retornos de Isac e Maurício ao grupo já eram esperados.

Como será obrigado a levar dois líberos, Mario Jr e Felipe são nomes certos. Bruno, Wallace, Sidão, Lucão, Murilo e Lucarelli formam em tese o time titular.

Sobrariam 6 vagas para os outros 10 jogadores.

Nesse caso, Murilo Radke e Renan serão meros coadjuvantes em Saquarema, o que diminui a briga interna.

Bernardinho não pode abrir mão da experiência de Rapha. É improvável que Evandro roube o lugar de Vissoto.

Se o técnico não inovar e baseado nessa raciocínio lógico, são 4 por 4, ou seja, dois centrais e dois ponteiros fechariam os 14.

Éder e Isac não podem ficar de fora, até porque Gustavão, que não foi sequer testado na liga mundial, não foi chamado. Sinal de que não aprovou nem nos treinamentos.

Lucas Loh fica de stand-by caso Maurício e Chupita, ambos se recuperando de contusão, não estejam 100%.

Qualquer opção diferente dessa será zebra.

 

 

 

 

 

 

 


Grand Prix nos moldes da Liga Mundial
Comentários 15

Bruno Voloch

24 partidas marcaram a abertura do Grand Prix, edição 2014.

16 seleções, que não representam a elite do vôlei mundial, foram divididas em dois grupos de 8 e os jogos aconteceram no Cazaquistão, Porto Rico, Peru e México.

Holanda e República Tcheca tiveram aproveitamento de 100%, venceram as 3 partidas que disputaram e lideram seus respectivos grupos.

Bulgária e Polônia também ganharam todos os jogos.

A decepção ficou por conta de Cuba que perdeu para Porto Rico, Argentina e Holanda e está em último lugar do grupo 2.

O regulamento é bem parecido com o da Liga Mundial.

A chamada 'segunda divisão' irá classificar o campeão para a fase final do Grand Prix, entre os dias 20 e 24 de agosto no Japão.

Além do país sede, os 6 melhores colocados da primeira divisão, disputarão o título.

Brasil, Rússia, Estados Unidos, China, Japão, Coreia, Tailândia, Sérvia, Alemanha, Itália, Turquia e República Dominicana serão divididos em grupos de 4 nos próximos 3 finais de semana.

A primeira parada do Brasil será na Itália. Além das donas da casa, o time de José Roberto Guimarães enfrentará República Dominicana e China.

 

 

 


Literalmente, Giba acaba dançando
Comentários 12

Bruno Voloch

Aos 37 anos, Giba não sabe se vai ou se fica.

O desempenho nas últimas temporadas parece não ter sido o suficiente para o ex-jogador se dar conta de que não consegue jogar mais em alto nível.

A imagem que ainda sobressai é de uma carreira vitoriosa e recheada de títulos. Ainda, porque Giba insiste em brigar com a realidade.

Bolívar, na Argentina, a aventura nos Emirados Árabes, onde foi dispensado, e a passagem apagadíssima por Taubaté, são os exemplos mais recentes.

Giba deixou o clube falando poucas e boas sobre Ricardo Navajas. O ex-técnico é polêmico, exigente, de difícil convívio, mas estava coberto de razão nas decisões que foi obrigado a tomar. Foi apenas profissional.

O ex-jogador se queixa de que nenhum clube no Brasil fez proposta para a atual temporada. Não entende.

Não se trata de desrespeito ou coisas do gênero. O brilhante passado como atleta não obrigada nenhum time a se interessar por Giba. Hoje a realidade é outra e Giba não tem mais saúde para acompanhar o ritmo atual.

A Olimpíada de Londres, que caiu do céu para Giba, por causa da 'família Bernardinho', foi o exemplo clássico.

Notícias dão conta de que ele tem propostas do exterior. A mais forte vem da Polônia, do modesto Cuprun Lubim.

Giba fala ainda em Itália e Rússia, mas duvido muito que seu destino seja um desses dois países.

A realidade de Giba aponta para a Dança dos Famosos. E só.

 

 

 

 


Talento mal aproveitado nas quadras
Comentários 10

Bruno Voloch

Falo pouco de vôlei de praia. Admito.

Verdade seja dita.

Confesso que desde que Juliana, na época parceira de Larissa, se lesionou e ficou de fora dos jogos olímpicos de Pequim, perdi o gosto pela modalidade.

Juliana não merecia. Nem ela, nem Larissa.

Saudades dos tempos das inigualáveis Adriana Behar e Shelda. Do incansável e interminável Emanuel.

Atualmente o momento é de Talita, Larissa, Maria Elisa, Carol e Maria Clara, ainda que a praia não tenha a divulgação devida na mídia e esteja quase sempre em segundo plano.

Quantos tentaram repetir na praia o sucesso que obtiveram em quadra e ficaram pelo caminho embora dotados de talento.

Decidi voltar a falar de vôlei de praia por uma simples razão. Ela tem nome e sobrenome:

Fernanda Berti.

Menina promissora, de talento nato, batalhadora, de ótima índole e que teve poucas oportunidades na quadra.

Passou pelas seleções de base, adulta em 2005 e atuou na Coreia e na Itália.

Em 2012, após jogar pelo extinto Vôlei Futuro, arriscou. Foi corajosa e investiu na praia.

O retorno demorou, mas chegou.

No último fim de semana, em Haia, na Holanda, Fernanda Berti e a parceira Taiana conquistaram uma das etapas do circuito mundial.

Na final, venceram a dupla alemã Katrin Holtwick e Ilka Semm.

É muito bom ver alguém vencer no esporte sem apadrinhamento e apenas pelos seus próprios méritos.

Aos 29 anos e madura, Fernanda Berti é um raríssimo exemplo.

 

 

 

 

 

 

 


Jaqueline e mais 13
Comentários 69

Bruno Voloch

Jaqueline está de volta.

A jogadora, que não viajou para os amistosos contra os Estados Unidos, treina em Saquarema normalmente e se prepara com o restante do grupo para o Grand Prix.

A ausência dela gerou uma série de comentários. Muitos maldosos e sem propósito algum.

Jaqueline só não acompanhou a seleção por causa do filho que estava adoentado. Como Murilo estava na Itália, o lado mãe falou mais alto, algo natural, e a atleta optou em ficar no país com o consentimento da comissão técnica.

Ainda sem time definido para a temporada 2014/15, a presença de Jaqueline é hoje  fundamental para a seleção.

Trata-se de uma jogadora completa e que domina todos os fundamentos.

Tenho convicção de que se estiver em forma será titular com sobras ao lado de Fernanda Garay nas pontas.

O Grand Prix será importante para que José Roberto Guimarães possa avaliar o atual estágio de Jaqueline. Jogar é essencial.

Diferente de 2013, os primeiros resultados da seleção em 2014 são pouco animadores, mas nada alarmante. Era um período de testes, observações, mas daqui em diante é bom o treinador pensar com a cabeça no mundial.

O Grand Prix deve ser aproveitado para tirar uma ou outra dúvida, mas basicamente o grupo das 14 jogadoras que estarão na Itália está definido.

E dentro dessa lógica, não dá para fugir do óbvio.

Jaqueline é nome certo, assim como Dani Lins, Sheilla, Fabiana, Thaísa, Garay e Camila Brait, em tese o time titular ideal.

Tandara, Natália, ainda devendo, e Gabi são as opções de ataque. Monique tem surpreendido e deve brigar. Das 4, uma não fica.

Adenízia e a 'intocável' Carol são as primeiras opções de meio.

Fabíola deve ser a reserva imediata de Dani Lins.

O caso da levantadora é estranho. Ana sequer foi testada.

Andreia e Juciely sobram.

As 3 devem ser aproveitadas no Grand Prix. E só. É improvável que sobrevivam para o mundial.

Se for obrigado a levar duas líberos, como manda a regra, Léia deve ser incluída.

Só mesmo em caso de lesão o cenário será modificado.